RSS

Arquivo da tag: As Intermitências da Morte

As Intermitências

‘Saberemos cada vez menos o que é um ser Humano’ – Livro das Previsões – prefácio de “As Intermitências da Morte”.

A literatura muitas vezes nos permite entrar em realidades muito diferentes da que vivemos, por outro lado pode nos mostrar o quanto o ser humano é igual em suas fragilidades, independente do local de nascimento ou qualquer outra variável que a vida (ou a morte) possa trazer.

Saramago em “As Intermitências da Morte” traz uma fábula que se inicia da seguinte forma ‘No dia seguinte ninguém morreu. O facto, por absolutamente contrário as normas da vida, causou nos espíritos uma perturbação enorme, …’. Um dos textos mais inspirados, e com certeza inspiradores, do mestre português, descreve um país fictício, onde a partir do primeiro dia de um ano qualquer, as pessoas param de morrer, por pior que fosse o estado de saúde, mesmo os acidentados, chegam ao limiar, mas não ultrapassam a ultima linha entre estar vivo e estar morto.

O que inicialmente poderia ser a dádiva da vida eterna, logo mostra-se um problema drástico, envolvendo toda a sociedade em dilemas organizacionais, religiosos, morais, éticos, entre outros efeitos. Afinal, o que fazer com as pessoas que não morrem,  e continuam a envelhecer, ou aquelas que estão moribundas, praticamente sem vida, que podem até apodrecer, mas o fim para elas nunca chega.

Os desdobramentos do estado, da igreja, da midia e do povo, além dos poderes paralelos que surgem diante de tal acontecimento, são descritos de uma forma bem humorada, com o sarcasmo bem típico de Saramago. A metalinguagem, os velhos ditados, as reações em cadeia da sociedade são alguns pontos que aproximam ainda mais o leitor desta obra-prima da língua portuguesa.

(Caso você nunca leu o livro, sugiro que não leia este parágrafo) Com o decorrer dos dois primeiros terços do livro, a hipotética “figura da morte” é muito citada, como no senso comum, algo presente mas ao mesmo tempo desconhecido. A partir do momento em que ela aparece como uma personagem, e até com alguns aspectos e características bem humanas, a história muda de tom, com desfecho elegante e genial.

Já em “Maus – A História de um Sobrevivente”, quadrinhos de Art Spiegelman, retrata a passagem de seus pais, judeus poloneses, durante a segunda guerra, onde sobrevive foi um prêmio para poucos. Nesta obra a morte ronda a realidade de forma cruel e aponta para vários questionamentos. Até que ponto a sociedade pode chegar, quais os limites do sofrimento humano? E pior, quais os limites da crueldade de nossa espécie?

A “Não-Morte” remete as catástrofes das civilizações, como vemos literalmente hoje, cidades destruídas pela água, pelo barro e principalmente pela omissão do Estado diante do seu próprio povo, que neste ponto vive dois extremos, os solidários e os egoístas. A Morte latente nos aproxima de questões semelhantes, sempre levando a questão inicial, por mais evoluídos que estejamos tecnologicamente, em meio a tantas vidas perdidas de forma banal, aparentemente sabemos cada vez menos o que é um ser humano, ou melhor, será que estamos cada vez mais distante de ser?

Abaixo, entrevista com o mestre, cada frase tem sentido, faz refletir e merece um texto sobre cada palavra.

Para não dizer que não falei das flores, li pela segunda vez “As Intermitências da Morte” e admiração pela forma “Saramago” de contar histórias apenas aumenta. E a sua relação com “Maus” foi apenas que escolhi, quase aleatoriamente, ler um após o outro.

Para não dizer que não falei das flores ainda vale citar a série de TV “The Walking Dead”, baseado em graphic novel de mesmo nome, aborda um tema ‘noviade zero’ dos “mortos-vivos”, mas consegue manter o suspense e prender atenção. E porque não dizer que também mostra uma “não-morte” interessante e divertida.

Para não dizer que não falei das flores, após longa ausência (justificável) neste espaço, recomeço para que ele não morra. Nos próximos posts vou descrever a viagem que fiz e mostrar um pouco do meu ponto de vista dos lugares que visitei neste pequeno “hiato”.

por Jonas Ribeiro

Anúncios
 
Deixe um comentário

Publicado por em janeiro 21, 2011 em All Posts, Letras e Palavras

 

Tags: , , , ,