RSS

Em Todo Lugar – parte 1

07 jan

No terceiro dia de trabalho do ano, estava no transporte público, e olhei pela janela na descida da Avenida 9 de Julho. Carros paravam no sinal, motos riscavam o asfalto entre eles, pessoas apressadas atravessando a faixa. Todos parecem iguais a ontem e anteontem e nos outros ‘ontems’ de anos passados.

Em um mundo que por momentos parece estar à beira do caos, a pressa domina, a impaciência, o depois sempre parece mais importante do que o agora. E por que não anda? A inquietude de alguns olhares que procuram motivos onde a reposta é sempre a mesma , o trânsito, os carros, o governo, a chuva, os outros!

Um segundo olhar e começo a perceber que existem rostos onde encontro outras expressões, outras amplitudes. O sono, a tranqüilidade, a distância e em algumas conversas, aquelas bem ali na articulação do ônibus bi-articulado, palavras amistosas e leves sorrisos de histórias que não consigo distinguir, apenas um leve e agradável ruído de vozes.

De motores e passos, buzinas e vento, os sons se misturam, a luz é verde para o coletivo e “Tudo Caminha, e as horas passam de vagar num ônibus de linha”. Percebo que o organismo funciona, o veiculo para, o som da porta que abre, os degraus, o metálico som do anel da moça que bate no tubo de apoio, uns descem, outros sobem, um novo chiar, a porta se fecha. Será que isso tudo pode ser música?

Nos prédios que passam muitos já se acomodam em suas poltronas, ligam seus computadores, outros tomam o café de costume, alguns já lidam com água e sabão, o esfregão, a graxa e os papéis. O sinal do elevador, a ronco da máquina que corta, o bichos que despertam na petshop, os pães despejados no cesto, a borrifada matinal nas flores expostas, a porta de metal que levanta. Será que isso tudo pode ser música?

Pra não dizer que não falei das flores, “Brasília 5:31” tem uma versão acústica que me lembra muito o lado psicodélico dos Beatles, com a guitarra mais que especial de Dado Villa-Lobos entoando efeitos com um toque ‘transcendental’. Esta canção reflete a mim como é possível ‘ver’ música em todo lugar, como pode ser belo imaginar o despertar de uma metrópole, como “tudo caminha”.

Pra não dizer que não falei das flores novamente, existem muitos estudos sobre a música presente nos sons do cotidiano. Na faculdade, o professor de som Marcelo Caíres nos apresentou o livro “Por uma Escuta Nômade: A Musica dos sons da Rua” de Fátima Carneiro dos Santos, que aborda o tema e dedica vários capítulos citando pensadores e estudioso do assunto. Como exemplo, a cantora Björk explorou muito bem esses sons nas musicas do filme “Dançando no Escuro”, presentes no trecho com a música “Cvalda”, mais sobre isso apenas na parte 2.

Anúncios
 
2 Comentários

Publicado por em janeiro 7, 2010 em All Posts, Notas Musicais

 

Tags: , , , ,

2 Respostas para “Em Todo Lugar – parte 1

  1. Stephanie Kohn

    janeiro 13, 2010 at 13:29

    E nessa correria e era do “depois ser mais importante que o agora” já faz muito tempo que não te vejo. Não posso negar que às vezes a tal da tecnologia ajuda. Esse blog me colocou mais próxima de você e por isso agradeço imensamente os tempos ultra modernos… pelo menos temos isso, né?

    Beijos meu querido amigo!

     
    • jonasribeiro78

      janeiro 13, 2010 at 15:19

      A gente sempre acha uma forma de estarmos próximos de quem a gente gosta.
      Não se preocupe, a nossa amizade sempre está no agora.
      Mesmo que as vezes seja apenas em nossos corações.

       

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: